Top 5 Canções para cortar os pulsos

Quando estamos nos degraus mais baixos da escada do pesar, nós choramos.

Quando chegamos à metade dela, emudecemos.

Mas quando alcançamos o topo da escada do pesar, nós convertemos a tristeza em canto (poema hebraico extraído do livro Felicidade).

Bom, esse é mais um post oriundo de uma conversa com o @deniscp, do Topismos, no Twitter. Top 5 canções de fossa, ou para cortar os pulsos. Ou #NoF (Nerds on Fossa). E como fossa é um assunto que dá Ibope, juntaram-se à nós Sy Ferrari, João Pedro Ramos, adriiiana e @nilsonjr .

Difícil definir fossa né? O @deniscp falou que fossa é muito pior do que que fim de romance, ou meras saudades: segundo ele, é saudades de sequer ter um fim de romance (indeed, very much indeed, I’d say).  Fossa não está diretamente ligada ao fim de um romance, é muito mais amplo do que isso; abrange um espectro que vai desde o fim da relação até a inexistência desta (ou amor não correspondido), passando por uma série de variantes.

Mas eu, euzinha da silva costumo ficar na tal chamada “fossa” quando sinto aquele que eu julgo ser o mais cruel dos sentimentos: a desesperança. Pessoalmente, sou capaz de suportar quase qualquer coisa, menos isso. A desesperança vem quando nosso coração já está calmo, está menos doído e já entendemos que as coisas não podem ser como gostaríamos. Não é bem uma tristeza; é um nada… Vc não acha que as coisas vão melhorar, as coisas nem estão tão ruins assim, estão só bobas; e vc simplesmente aceita que sua vida será daquela forma para todo sempre: um longo e árido deserto, um eterno acordar e dormir sem graça, sem vida (existe vida sem amor? Ou ao menos vida plena? Eu acho que não. Fica faltando né?).  Então, é isso. Vc vive sem amor, e acha que vai ter que se acostumar a viver dessa forma pra sempre, até morrer. Até não é muito ruim – só não é pleno… A constatação de que as coisas simplesmente não podem ser como gostaríamos às vezes é torturante.

Não pensei em canções de fossa de um forma genérica para fazer esse post; pensei nas canções que, invariavelmente acabo ouvindo quando estou triste, por estar com o coração partido. São as minhas canções de fossa.Vamos a elas então:

Little Girl Blue (versão com a Janis Joplin).

Little Girl Blue é uma música antiga (década de 1930) da dupla Rodgers and Hart, com uma letra tristíssima. E cantada pela Janis Joplin então…

Olha, se eu tivesse que definir Janis Joplin com uma palavra, eu a traduziria por desespero; seu canto é desesperado, vc pode ver que ela está se esvaindo de dor, não tem como não se emocionar.

A música é aquela coisa pequenininha, apertada (como o coração da gente quando a ouvimos) e a letra… ah, a letra é bem triste. O que dizer sobre a  letra de uma música que fala que tudo o que a menininha azarada e triste pode fazer é sentar e contar seus dedos? Dá pra ouvir sem parar até cansar de chorar sabe?


[]

Tem também a versão da Nina Simone, maravilhosa – mas eu não acho tão desesperada. E nas vezes em que estive no chão (aquela coisa Amy Winehouse de chorar no chão da cozinha) era a versão da Janis que eu ouvia.

Nesse post aqui tem mais um monte de versões de Little Girl Blue.

Travelin’ Light (versão com a Billie Holliday)
(FASE  QUERO DORMIR E ACORDAR DAQUI A DEZ ANOS)


Em um livro cujo nome não me lembro mais, o Ruy Castro mencionava alguém diferenciando Ella Fitzgerald da Billie Holliday. Era uma coisa mais ou menos assim: quando Ella Fitzgerald cantava em alguma música “my man has gone” vc conseguia ver o cara largando ela, mas era uma coisa “vou ali comprar um maço de cigarros e já volto”. Billie não. Quando ela cantava “my man has gone” numa música, vc via o cara batendo nela, jogando ela no chão, roubando o dinheiro dela para aí sim, ir embora para nunca mais voltar

Pra quem não sabe, “travelin’ light” fala de um  baque de heroína – é uma viagem braba, e nesse caso, porque o homem dela foi embora. Ou o meu. Ou o seu. Anyway, é dor em doses cavalares, num estágio em que vc precisa de um anestésico, senão não vai aguentar. A música fala que o homem dela foi embora, e levou seu coração. Ela ainda acha que ele volta; sim, porque tem horas que não dá pra gente encarar a realidade e imaginar que nunca mais vai ver aquele sorriso, ou beijar aquela boca, ou pior, nunca vai vai ver aquela pessoa olhando para vc do jeito que já olhou um dia (aliás, já repararam uma coisa? Os que amam soltam fagulhas no olhar. E aí, talvez por pudor d’alma, baixam os olhos, tamanha a intensidade daquilo que tá lá dentro)  e como ela não aguenta de dor, vai ficar anestesiada até ele voltar… ou pra sempre – ou uns dez anos, com tudo resolvido.

Chet Baker tb tem uma interpretação linda dessa música, em um disco em homenagem à Billie Holliday, vale a pena ouvir.

FIO DE  CABELO (CHITÃOZINHO E XORORÓ)

Certa feita, quando um moço muito muito querido foi embora de casa em mais uma de muitas despedidas para sempre (e daquela vez foi a que eu mais achei para sempre de todas) eu fui até o lugar em que ele gostava de se sentar no sofá da minha casa e chorei horas a fio sentindo o perfume que tava naquele sofá e vendo os fios de cabelo dele que tinham ficado por lá. Ah! Nem venham dizer que isso é patético, porque só quem nunca amou de verdade seria capaz de fazer uma afirmação dessas.

“Fio de Cabelo” fala disso né? Pra mim essa música traduz aquela fase em que achamos que tá tudo bem, que o pior já passou, que há luz no fim do túnel e…aí acontece. Vc ouve uma música da qual ele gostava. Ou alguém chega perto de vc com o perfume dele (essa é a pior). Ou encontra alguma coisa que ele esqueceu na sua casa, ou um presente que ele te deu (eu não consigo sabia? usar presente, ouvir CD dado de presente, ler livro dado… simplesmente não consigo). Aí vc descobre que ainda não passou (mas passa, eu garanto que passa).


[youtube=http://br.youtube.com/watch?v=Fc7vx2ArURU]

REVELAÇÃO – FAGNER

Ah tá. Um dia a gente resolve que já passou, que não vamos mais chorar em cima do leite derramado, bola pra frente, a fila anda, olha só aquele moço ali querendo sair comigo, é, eu nem gostava tanto assim dele, bla bla bla. Só que…

“quando a gente tenta de toda maneira dele se guardar, sentimento ilhado, morto e amordaçado, volta a incomodar”.

É, de repente parece que tem um vulcão de sentimentos soterrado dentro da gente, e de repente vem tudo à tona numa velocidade e violência assustadoras…É a tsunami das dores. É doído não só porque o coração ainda está em pedaços, mas sobretudo pela vergonha de ter tentado se enganar. Onde é que eu estava com a cabeça quando achei que uma noite por aí fosse curar o que quer que fosse? Não cura né? Fingir que tá tudo bem, infelizmente, não faz com que as coisas fiquem boas…Isso só o tempo (ai como é ruim ouvir isso quando não estamos bem né? Dá vontade de esganar)

OUTRA VEZ – ROBERTO CARLOS

Roberto Carlos é o rei das músicas  dor de cotovelo (pau a pau com o Tim Maia talvez) – e eu as prefiro cantadas pela Maria Bethania (uma espécie de potencializador da fossa sabe? caso a que vc esteja sentindo não esteja suficientemente dolorida…).

Outra vez pra mim é aquela constatação pura e simples de que, não importa o que se faça, quanto tempo passe, quantas pessoas passarem na sua vida, aquele moço lá vc não vai conseguir esquecer. Nunca. O cara é simplesmente ” a saudade que gostamos de ter”, e por uns instantes esquecemos de tentar esquecer. Dá pra esquecer alguma coisa que é uma marca indelével no coração da gente? Ah! acho que não… E quando dói muito, mas muito mesmo, a gente pode fingir que ele está perto…outra vez. Só mais uma. Amanhã eu juro que tento de novo…

[youtube=http://br.youtube.com/watch?v=6n08dRX3Rps]

MENÇÕES HONROSAS

*Eu não ouço quando estou na fossa, mas se eu tivesse que dar uma música para desesperança, seria essa, Rota do Indivíduo A música que fala de restos de sonho; de alguém que vê a vida parada com o coração gelado. <medo><medo>

*Na linha Bridget Jones, o bom e velho Air Suply – The one that you love

*Na linha biba de cortar os pulsos, Say hello, wave good bye, do Soft Cell. “Take your hands off me, I don’t belong to you; take a look at my face, for the last time”. Uma pessoa dizendo pra outra que quando eles se encontrarem novamente não farão nada mais do que dizer oi de longe, waving…

* Until the real thing comes along – O que dizer de uma música onde a pessoa  fala “I’d slave for you” ? Que ela “gladly move the earth for you”? Que ela”tear the stars down from the sky for you”, tudo isso cantado pela Billie Holliday? Já passei alguns dias ouvindo essa música fazendo looping.

CONTRA FEITIÇO

Bom, como só de fazer essa lista eu já chorava copiosamente sem nem ter um motivo para tanto, resolvi fazer um contra-feitiço para corações partidos. Uma seleçãozinha de músicas para não ficarmos pelos cantos chorando pelo leite derramado.

Em primeiro lugar, o famoso “levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima”,

[youtube=http://br.youtube.com/watch?v=_KN3Scp81yM]

Vinicius era o mestre de reinventar o amor e a paixão, e fazia isso com uma maestria divina. Ele via a tristeza do fim do amor como parte de um ciclo (“o sol que desponta tem que anoitecer”, né?).

Dizia o poetinha, “quem nunca curtiu uma paixão, nunca vai ter nada não”; e   esse pot-pourrit faz a gente acreditar no amor de novo, até porque tem “para viver um grande amor no final”. E nada mais verdadeiro do que dizer que a vida só se dá pra quem se deu…

E para o dia seguinte do novo amor, essa aqui é linda

LAST BUT NOT LEAST: É tema para um outro post, mas pra mim, amor verdadeiro não morre; a essência dele fica guardadinha dentro do coração da gente, quietinha (por isso eu acho que não dá pra amar muitas vezes na vida). Mas nada como uma paixão avassaladora, daquelas que vão durar pouco, mas que vc não consegue se desgrudar do moço de tão bom que é para fazer aquele amor da vida inteira ficar beeeem guardadinho…recomendo fortemente!! Só uma paixão avassaladora faz a gente se sentir curada daquela dor de amor lancinante, e deixar a gente pronto para viver outro grande amor…<suspiros> <suspiros>

Similar Posts:

Share

174 comentários sobre “Top 5 Canções para cortar os pulsos

  1. “Garçon no bar todo mundo é igual, mas preste atenção por favor, saiba que o meu grande amor hoje vai se casar, mandou uma carta pra me avisar deixou em pedaços meu coração, e pra acabar a tristeza só mesa de bar, quero tomar todas vou me embriagar se pegar no sono me deite no chão!”

    Ô lapa de touro, vida de gado cara isso eh deprimente, meu Deus que poesia para os cornos do Brasil, viva Reginaldo Rossi o rei da roedeira!Bota mais uma aki garçon, do fundo do freezer ok?!

  2. Um amor pode ser perdido por muitas razões, e nem sempre é por “troca” ou por “traição”.
    Por vezes o próprio tempo se encarrega de por fim ao amor. Por vezes a própria vida. E tem aqueles casos (mais do que imaginamos) que somos nós os culpados daquilo que acusamos os outros.
    Resumir tudo a “dor de corno” é simples demais. E tem música para tudo: para a simples dor de corno, para a tristeza da morte do amor pelo tempo e para a saudade e dor sentida por alguém que pura e simplesmente desapareceu.
    Por vezes nem a letra é relevante. Basta a música para nos fazer sentir e transportar para um lugar que desconhecemos e nos entristece. Sem sabermos porquê!

  3. (continuando)

    AnaDust in the wind foi uma música que ouvi muuuito na adolescência…

    Gabi isso é verdade: ver quantas pessoas sofrem no quarto, muitas vezes se sentindo patéticas! Acho que esse texto serviu pras pessoas verem que não são só elas que se sentem daquela forma… O comentário da Gilda tá forte mesmo, eu tb fiquei com o coração apertado… Eu também ouvi muito Legião Urbana na adolescência e no começo da faculdade – e adoro Andrea Doria. Simple Together é tristíssima mesmo, uau! Que bom que vc gostou do texto, fico contente!

    Stella obrigada! Love you till the end é linda mesmo…

    Carol é verdade né? mas ele toca violão muito bem – eu gosto de várias músicas dele.

    Eliz Lima ne me quitte pas é de doer mesmo…

    Marizete a música brasileira é muito rica, ainda mais quando falamos de amor e de sentimentos… dá pra fazer um blog só disso! Que bom que vc gostou, volte sempre!

    Henrique caramba!! Ouvi! Vai entrando na gente né? Dá vontade de voltar pra cama e não levantar mais…

    Tales Leo Jayme é da época do começo da faculdade, quando tinha vários shoes dessa moçada dos anos 80 tocando do Aero Anta, e num lugar ali em Pinheiros perto de onde hoje é a Fnac…Adoro A vida não presta! >

    Janaina Obrigada! (mas eu gosto do Rei sim? Das músicas antigas, mas adoro!)

    Russain ChamonClarisse tb é bonita. (vc é parente do Ricardo Chamon?)

    Leticia Sousa obrigada! mas acho que nada substitui terapia não, é com ela que a gente aos poucos melhora. Algumas pessoas têm distúrbio genético, mas são poucas (estou lendo a biografia da Maysa e vou te falar que o caso dela era mais falta de terapia pra entender um monte de coisas do que qualquer outra coisa). Acho que vc gostou do meu texto porque vc achou que eu consegui traduzir o que vc sente, e quando a gente entende melhor as coisas, vai ficando mais aliviada (é o que a terapia faz, mas com técnica e profissionais competentes). Fico contente que tenha gostado – e olha, tem um monte de textos nessa linha espalhados pelo blog, dá uma fuçada. Tem um chamado Zi Crêizi Gardener que vc talvez goste… E se gostou, pode voltar viu?

    Jose Valter obrigada! acho que comentando os comentários eu achei essa música, depois dá um’olhada!!

    Lincoln foi o que eu falei, os critérios são muito pessoais mesmo! Mas Matriz e Filial é uma música linda, na linha old-fossa! Daquelas para uma caixa de Kleenex!!

    Fernanda que escândalo de lindo esse poema!! Vou procurar! Eu confesso que não li muita coisa tanto de Byron quanto de Shelley, vou dar uma fuçada! Quanto a ter coragem…well, eu gosto das músicas, e não fiz um blog pra me enganar né? A gente tem que ter personalidade no fim das contas… Adoro Janis Joplin e Billie Holliday ( a Ella cantando Until the real thing comes along nem parece que é a mesma música…e o inverso tb vale: Billie é incapaz de cantar “On the sunny side of the street” como o Louis Armstrong – parece uma marcha fúnebre…). Quanto ao seu amor, diz o ditado “o que é do homem o bicho não come” – então, enquanto ele não vem, tente se divertir por aí (eu juro que isso é possível sim). De repente vc nem vai querer ele quando ele voltar, já pensou? ;-) E alguma coisa me diz que vc vai gostar desse post onde eu falo dos diversos tipos de saudade… Adorei seu comentário viu? E volte sempre, fique à vontade pra comentar, a casa é sua!

    Northon com certeza!!! vc sabe né, que as frutas estranhas de Strange Fruit são cadáveres de negros enforcados, e a música é uma canção de protesto que a Billie fazia questão de cantar?

    Renato Fake Plastic Trees era uma música que tocava direto quando me separei – mas a época foi mais de mudanças do que de tristeza profunda, talvez por isso não tenha pensado nela…

    beijos a todos!! (já sabem né? eu continuo…)

  4. Fagner cantando “El tiempo passa, nos vamos poniendo viejos…”, Joan Baez cantando Jacques Brel (la chanson des vieux amants) “Mais, mon amour, mon doux, mon tendre, Mon merveilleux amour, De l’aube claire jusqu’à la fin du jour Je t’aime encore, tu sais, je t’aime.” ou Léo Férre cantando “Avec le temps va, avec le temps va, tout s’en va…”
    Mas… cést toujour la tendre guerre… :-) )

  5. Gostei da lista :)

    “Eu sem vc não tenho por quê, porqquê sem vc não sei nem chorar”.
    É pra acabar né?rs

  6. Lincoln correção anotada!

    EUGENIO a música é realmente muuuito triste, vc tem razão…

    Joana, pra mim o mais importante é a gente reconhecer isso. É assim: a gente dá dois passinhos pra frente, e um pra trás, até que uma hora passou…ou melhorou, ou a gente se conformou… viver dói mas é bom né?

    Sinjoro acabei de ouvir, e vc tem toda razão! Triste mesmo!

    MLFL já falaram isso aqui pra mim, eu vou consertar assim que conseguir terminar de comentar os comentários…Obrigada viu?

    NORTHON sem problemas, todo mundo erra! :-)

    Ana Paula que bom que vc gostou (não só pelo trabalho que deu escrever, como também pelo que doeu sentir tudo aquilo, hehehe).

    Camilo achei Blusa Vermelha!! Triste mesmo, fossa grau 8 gilettes!!! Olha, dá pra fazer um top 10 músicas de fossa só de músicas sertanejas – eu só precisava conhecer mais o estilo…valeu!

    Nilson, do Abba? Eu sempre acho as músicas do Abba alegres, apesar de algumas letras serem tristes…Qual vc colocaria?

    DEIVID CÉSAR, essa aqui? eu conhecia…

    Marcio Recife-PE, eu gosto muito de algumas músicas do Reginaldo Rossi! E morri de rir com o “é de se jogar do pé de coentro”, hehehe.

    mario noooossa, Lionel Richie!! Eu tinha esquecido do Lionel Richie!!! É verdade!! Valeu!

    Percival olha, eu também estou não só relembrando como conhecendo muita coisa aqui!! Não achei It’s my first day without you, achei só Traces of love, que tb é beeem triste… Fogueira é linda e triste! Aliás adoro Angela Ro Ro também sabia? Ninguém mais fala dela, mas eu adoro… Adorei as lembranças!

    Marcelo, essa música foi levantada nos comentários, dá um’olhada nos comentários iniciais que ela aparece. E é impressionante como muita gente falou dela aqui! Valeu!!

    Vanessa é verdade! eu quase coloquei ela na lista, mas no final não rolou… ;-)

    Flavia (aliás vc é xará, sabia?) eu curto todas essas músicas que vc mencionou, porque lembram a minha adolescência…E já pedi perdão ajoelhada no milho pelo fato de ter esquecido os Smiths. Imperdoável, ainda mais eu, que adoro Reel Around the Fountain (seria minha escolhida). Perdoa vai?

    Karina são todas lindas mesmo!!

    Marcelo, eu gosto de Amor Perfeito com o Amado Batista -que é essa do “no hospital, na sala de cirurgia” É triste mesmo!!

    Marcio-Recife, não conhecia essa não… vc já teve algum amor que se casou e deixou seu coração em pedaços? Eu já. Dói viu? Muito.

    Rui é isso mesmo, com uma ressalva: pra mim, amor de verdade não morre, vc só acomoda ele dentro de vc para que isso não atrapalhe sua vida… de resto, é isso mesmo… E vouz avez raison: c’est toujours la tendre guerre ;-)

    Lara, sabe que só com os comentários dá pra fazer um Top 100 fácil né? Quem sabe eu não faço um dia desses? Nunca achei que ia ter mais gente que gostasse de ver Fagner na mesma lista que Billie Holliday…nada como ter coragem de fazer o que queremos para descobrirmos pessoas que pensam de forma semelhante né? :-)

    Fera Felina é de acabar mesmo!! Que bom que vc gostou!

    Olha, eu tenho que agradecer muuuuito todos os comentários, eu nunca pensei que esse post fosse ter tanta repercussão!! Obrigada a todos!!

    Beijossss!!!

  7. Sim, vc disse bem, amor de verdade nunca morre. Nós apenas o guardamos num lugar sossegado para não atrapalhar. E por vezes vamos lá, sacudimos a poeira dos anos, lembramos como foi (e o que poderia ter sido), sentimos a saudade e a dor (já não tão forte como nos lembrávamos), voltamos a colocar tudo direitinho no lugar, abrimos uma janela para arejar, olhamos para fora, sorrimos e pensamos: Hoje é o primeiro dia do resto das nossas vidas!
    E é esse o efeito e a capacidade de certas músicas em nós. A capacidade de nos fazer viajar no tempo, nas memórias e nos sentimentos.

    Como Luís de Camões escreveu, “do mal ficam as mágoas na lembrança, e do bem, se algum houve, as saudades”

    Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
    Muda-se o ser, muda-se a confiança;
    Todo o mundo é composto de mudança,
    Tomando sempre novas qualidades.

    Continuamente vemos novidades,
    Diferentes em tudo da esperança;
    Do mal ficam as mágoas na lembrança,
    E do bem, se algum houve, as saudades.

    O tempo cobre o chão de verde manto,
    Que já coberto foi de neve fria,
    E em mim converte em choro o doce canto.

    E, afora este mudar-se cada dia,
    Outra mudança faz de mor espanto:
    Que não se muda já como soía.

    Obrigado pelo post e pelas recordações musicais (e seguramente não só essas) que vc libertou em nós!
    Hoje é o primeiro dia do resto das nossas vidas! :->

  8. Minha mina me indicou o post e resolvi brincar também, minhas sugestões para pulso em assuntos gerais seria: “Hurt” versão Jonhny cash, “Asleep”, “Clarisse” e quase tudo do Nick Cave.
    Já para moscar com pé na bunda: “Judas” – Depeche Mode; “A letter to elise” The Cure; ” Stop Crying Your Heart Out ” Oásis; ” Tender” Blur e “All I Want Is You “; “Butterfly On A Wheel ” The Mission; “Sentimental” e “Quem Sabe” Los hermanos

  9. Menina, eu aqui fazendo figa pro Morrissey voltar ao Brasil já que lançou Cd novo e você despreza um show dos smthis. Isso é uma heresia. Conta essa estória direito ?????
    Se não rolar um arrependimento você merece ajoelhar num monte de espigas. (rs, rs).

  10. agrj ah, eu acho que fica na fossa sim… fica menos, porque aprendemos a nos defender e não nos expomos tanto, mas tem horas que nada dá jeito…

    Rui posso falar que me emocionei às lágrimas tanto com o poema do Camões (este eu não conhecia) quanto com o fato de vc ter decretado que hoje é o primeiro dia do resto de nossas vidas? Quem sabe não é mesmo né? Nossa, adorei ler isso… E…já falei pra vc ler o meu post sobre os diversos tipos de saudade? Acho que pelo clima que vc me falou, é capaz de gostar…

    Gabriel Lucas música com estilete free é de chorar de rir!! Adorei!!!

    r4f4 pois é…a moçada se empolgou…ainda bem…

    Allan Nossa!!! Adorei que a sua mina falou pra vc vir aqui “brincar” – pois no fundo a caixa de comentários funcionou como um top 5 dos leitores né? Assim que eu conseguir respirar eu linko todas as suas músicas tá?

    Karin a história é meio comprida, mas em resumo eu tinha 18 anos, estava em Londres, com os ingressos comprados e o cara do hotel se enganou quanto à localização do teatro onde seria o show, disse que era num lugar perigoso (não era) e meu pai não deixou eu ir. Triste e patético assim…Devia ter fugido de casa né? mas não fiz nada…só fiquei olhando praqueles ingressos lá..E foi no ano em que o Smiths tava bombando, dezembro de 1986… :-(

    beijos a todos!!!

  11. Querida, você, como sempre, acerta em cheio. Que baita seleção!!! Não tem o que tirar nem por. Nem coloquei os videozinhos pra tocar pra não correr o risco de cortar os pulsos, tá? ;) )))
    bjs com saudades

  12. Mari são seus olhos…eu tô corrida, até o fim da semana tenho novidades (casa nova). Tb tô com saudades!! Vamos ver se nos vemos antes do seu tour…

    Rui ai que legal!!! Fico muito feliz!! Ó, vc acertou quanto à vida nova. Este foi o último post nessa casa aqui…quero ver vc na nova hein?

    Beijos!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>