Pulseiras do Sexo são a nova Salada Mista?

Outro dia, num churrasco na casa da @lisatucson, eu ouvi a bendita história das tais “pulseiras sexuais“. Não entendi patavina, ela também disse que era exagero da galera, e morreu aí. Na semana seguinte, começou o zunzunzun no Twitter e nos emails, um texto aqui outro ali e de repente estava todo mundo escandalizado. Os adolescentes estariam usando pulseiras coloridas para, através de um código pré-estabelecido no qual cada cor significava uma prática sexual (que iria do abraço ao sexo oral, passando por “selinho”, “beijo de língua” etc). A pessoa que arrebentasse a pulseira teria direito àquela….hummm…vamos dizer assim… “prenda”.

shag-bands ou pulseiras do sexo - by radar urbano
shag-bands ou pulseiras do sexo - by radar urbano

Demorei um pouco para formar opinião, confesso. Essa minnha amiga apurou com o filho de 11 anos e descobriu que pra ele aquelas cores não tinham conotação nenhuma (tipo, ele queria a cor “x” porque era a cor do time dele, saca?). Perguntei para o meu filho, 13 anos recém completos. Ele respondeu que tava na moda sim, que ele tinha tido uma porque “os caras maiores têm um monte,  pedi uma e eles deram” – mas ele não sabia de nada dessa história de cor ou código (e antes que vocês me perguntem: não, ele não estava mentindo – ele não usa as tais pulseiras, portanto ele me contaria).

Bom, se a galera até 13 está fora disso, tenho que supor que isso está rolando com a turma de 14, 15, 16 anos em diante. E aí? Como ficamos?

Ora, essa é a fase em que normalmente começam (na verdade começam antes, mas começam de uma forma mais explícita, digamos assim) as experiências sexuais, sejam elas da intensidade que forem (pode ser um beijo mais bem dado, um amasso mais forte, ou até mesmo sexo na acepção pura do termo). E aí eu acho que o pessoal está fazendo um carnaval à toa, agindo exatamente como nossos avós, ou nossos pais, ao reclamar dos excessos da juventude. Fiz uma experiência e perguntei no Twitter como chamava uma brincadeira que tinha um monte de frutas (eu tive uma educação super rígida e nunca brinquei de nada disso – ai como me arrependo…); resultado? todo mundo respondeu com detalhes, olhem só:

SM1

SM3

SM4

Na boa? Tá me parecendo aquela coisa de geração mais velha dizendo que a geração mais nova estava perdida. Eu também acho que vivemos numa sociedade excessivamente erotizada, que crianças são precocemente estimuladas (por vezes com anuência dos pais) a se tornarem sexualmente atraentes, mas sinceramente, não é isso que eu vejo nessas pulseiras (aliás, tá na hora a gente parar de repetir por aí todo santo cliché que ouvimos, né?). Pra ser sincera a única coisa que me preocupava nesta história toda era justamente a diferença fundamental entre a “salada mista” da geração anterior e as tais pulseiras: a publicidade do ato. Era isso que eu não conseguia entender. Estava pensando no assunto quando no meio do caminho o @doni chegou e me deu uma bela ajudada, 😆 .

Acompanhem meu raciocínio, acho que vale a pena:

O fato de desfilar as pulseirinhas diz para os outros, de uma forma clara, que vc já está pensando em fazer sexo (e isso acho que isso deve incomodar demais alguns pais: como assim meu bebê está dizendo aos 4 cantos do mundo que pensa em sexo?), que gostaria de ter experiências sexuais, na intensidade determinada pela tal pulseirinha. Vocês vão dizer: mas isso é pra ser feito aos poucos, com alguém que se goste, etc. Até é verdade, é muito mais gostoso quando ocorre assim, mas a gente dá umas cabeçadas antes de descobrir isso né?  – imagino que vocês lembrem que não se casaram com aquele cara com quem você foi pega aos beijos e abraços no fundo do salão da festa de 15 anos do “Marcelinho”, certo? E  acima de tudo, para que o sexo surja de forma natural na vida do seu  filho, ele  tem que estar preparado – e isso é algo em que você, pai, tem participação fundamental.

Ora, de certa forma, eles estão dizendo exatamente isso: que precisam ser preparados, que não estão sabendo lidar muito bem com tais questões. Esse “dizer pros outros”, inclui, obviamente (eu diria principalmente), os pais. O que é mesmo que a gente faz quando precisa de ajuda? Si-na-li-za. Sinalizar, praqueles que (ainda) não captaram é “mandar sinais”. Uia… e não é que esses moços são inteligentes?

Pra mim, essas pulseiras, independente da cor, signficam: estou pensando em sexo, quero ter experiências sexuais e estou ansioso com isso. Eu duvido que esses adolescentes, ainda que arrebentem as tais pulseiras, paguem a “prenda estipulada”. E sinceramente? Se eles conseguiram cumprir essa etapa, ou já estão prontos para essa experimentação (e aí teremos mais uma etapa de questionamentos a amparar, na condição de pais), ou estão tão desesperados para agradar que estão indo no embalo contra sua vontade. Em nenhuma das duas hipóteses a pulseira é culpada entendem?

Conversando com o @doni (não sei se ele vai escrever sobre o assunto, espero que sim), ele ainda comparou as tais pulseiras aos “paninhos” que as crianças usam quando pequenas (e eu achei uma comparação bastante pertinente). Nas palavras do  @doni (e se eu estiver sendo incorreta, é só me corrigir, tá?) essas pulseiras são uma espécie de proteção do mundo real, do que precisa ser enfrentado, além da identificação entre pessoas que sentem as mesmas angústias. Mas palavras dele, uma coisa  “eu estou vivendo as mesmas angústias que vc, e como vc tb não sei lidar com elas, então vamos só usar uma pulseira. Ou um paninho“.

Em suma: as pulseirinhas  são antes consequência do que causa, entendem?

Agora vocês perguntam para mim: e o que eu tenho que fazer? Eu vou responder o mesmo de sempre: conversa. Diálogo. Conversa essa que já deveria ter sido iniciada lááá atrás, mas nunca é tarde. E deixem-me ser clara aqui: por diálogo não entendam esse diálogo que andam falando por aí “explique para o seu filho o significado da pulseira e se ele tem que usá-la ou não”. Me desculpem, mas acho isso pouco inteligente. Porque você  só vai tirar o problema das suas vistas; você só estará eliminando a sinalização do problema, uma coisa “avestruz colocando a cabeça na terra”. Impedir de usar as pulseiras é dizer “não quero que você fale sobre isso, ou me diga que está pensando sobre isso”. Depois não reclamem…

Praqueles que discordam dessa leitura e acham (sempre há, né?) que isso é um jogo, uma super-exposição e que as crianças (!) estão sendo induzidas a praticar sexo : a única coisa que irá impedir que um adolescente faça algo que não está pronto ou que não quer fazer apenas para agradar ao grupo é ter auto-estima elevada. Não importa qual seja o assunto: cocaína, pulseiras coloridas, zoar travesti (sim, eu tive amigos que fizeram isso), jovens com boa auto-estima não vão cair nisso  e cumpre aos pais construir essa auto-estima desde o berço – lembrando que essa será apenas mais uma das pressões que os filhos irão sofrer por parte do grupo até o fim da adolescência, so, be prepared, hehehe.


Resumo da ópera: conversa. Tente prestar atenção ao que seu filho está dizendo através dos sinais que ele manda, ao invés de proibir os sinais, pois ao proibi-los,  vc está dificultando ainda mais a comunicação, que já está truncada; vá atrás do que está movendo ele, não do sintoma, ok? 😉

E antes de tudo, sejamos razoáveis:  Muitas vezes, uma pulseira é só uma pulseira. Eu tenho certeza que seu filho de 06 anos não está querendo fazer sexo oral. Menos, né moçada? 🙂

****

P.S. O  @doni depois de nossa conversa fez mini-declarações no Twitter que eu acho muito pertinentes colocar  aqui:

SM4

SM5

SM6

SM7

109 pensamentos em “Pulseiras do Sexo são a nova Salada Mista?”

  1. axo ki os pais tem que ter concientizaçao disso e nao dexar os filhos usar
    ..
    vc usa por se sentir na moda mas tem genti que nao pensa assim
    ouvi relatos que o cara pego a menina a força e a rebentou a pulsera e depois a estrupou isso e um cumulo pra sociedade vcs maes e pais tem que ficar atentos kom as amisades do filho e dialogos e nao dexarem usar uma merda de pulseras do sexo pode ser uma pulsera comum mas pra aquela jovemn que foi estrupada praticamente sem sabeer ja que tinha 11 anos e usava por estar na moda ai neh …

    minha opniao vcs tem que fica de olho a brincadeira da salada mista .. pera, uva maça ou salada mista aperto de mao e abraço de coraçao ..
    assim ki nois brincavamos e nao tinha nada de safades nao ao contrario da moça de sima neh …

  2. concordo que nossas crianças e adolescentes, em grande maioria, estão vendo com inocência e como um modismo a tal das pulseiras mas, numa sociedade onde há uma grande procupação com a pedofilia, violência sexual muitas vezes dentro do próprio lar, o uso deste acessório pode servir como um estimulo para estas práticas. Sou mãe de três filhos, já dialoguei com eles, e não vou permitir o uso das puleiras pois prezo pela segurança deles.

  3. essas pulseiras e o diabo eu odeio elas na minha cidade acharao uma mulher morta com uma pulseira preta no braço e dessserao que a preta significa morte . odeio elas bjos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *